[GUIA] Lei do E-commerce: tudo o que você precisa saber sobre as principais regras

E-commerce Mar 03, 2021

Presente no Brasil desde 2013, a Lei do E-commerce surgiu para garantir a segurança do consumidor virtual e atender as demandas particulares desse método de compra.

A Lei do E-commerce é, na verdade, uma complementação do Código de Defesa do Consumidor, que foi criado em 1990 e atualizado em 2013 para contemplar as particularidades do comércio digital.

Também conhecida como Lei 7.962, a Lei do E-commerce define pontos importantes para garantir a segurança do cliente e também contribuir para um comércio virtual que tenha a participação majoritária de lojas que atendam a altos padrões de qualidade.

É importante, entretanto, reforçar, que além das questões que estão definidas na legislação para e-commerce, toda loja virtual também deve seguir as demais demandas do Código de Defesa do Consumidor tradicional, já cumpridas pelas lojas físicas.

Lei do e-commerce

Ainda é muito comum encontrar consumidores com receio de realizar uma compra online, esse medo é justificado, mas a legislação brasileira está do lados dos consumidores virtuais para qualquer eventualidade.

O mesmo acontece com as lojas físicas, que possuem regras que devem ser cumpridas, para garantir a segurança do cliente e evitar abusos por parte de lojistas e empresários do setor de comércio.

Da mesma forma que acontece com lojas físicas, as lojas virtuais que não cumprirem a série de demandas da regulamentação do e-commerce no Brasil, estão sujeitas a processos judiciais e multas.

Mas, afinal, o que diz a lei do e-commerce? Existem muitos pontos dentro da regulamentação, mas entre os que geram mais dúvidas e são mais relevantes estão:

  1. Informar os consumidores das condições da compra
  2. Facilitar o atendimento das demandas do cliente
  3. Facilitar a devolução dos produtos no caso de arrependimento
  4. O uso do certificado digital para atender à lei
  5. Segurança contra fraudes e garantia da proteção de dados do consumidor

A seguir, vamos explicar detalhadamente cada um para que você como lojista ou consumidor possa estar por dentro das regras do e-commerce.

Informar sobre produto, condições da oferta e compra

Fornecer dados sobre o produto ou serviço oferecido ao cliente, em plataformas digitais é um dos pontos de maior destaque dentro da legislação para e-commerce.

Uma vez que o cliente não pode tocar e ver o produto presencialmente e também não tem um vendedor presencial para sanar suas dúvidas, compartilhar informações detalhadas sobre o produto se torna uma forma de estabelecer de forma clara para o consumidor o que exatamente ele está comprando.

Em caso de roupas, por exemplo, informações como:

  • tamanho,
  • medidas,
  • tecidos usados para a confecção da peça,
  • detalhes do produto como decotes,
  • uso de ziper e outras informações não podem faltar na página de cada produto.

Inclua também informações sobre a possibilidade do produto causar danos à saúde, qual é o volume de peças que estão inclusas dentro do item que está sendo comprado, e mais. Isso vale para qualquer nicho de venda online.

Além das informações sobre o produto que está sendo comprado, também é regra apresentar informações sobre a empresa que está vendendo:

  • Razão Social,
  • Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ);
  • os endereços físico e eletrônico,
  • dados de contato com a empresa;
  • preço e informações claras sobre qualquer custo adicional, como frete,
  • informações transparentes sobre as formas de pagamento,
  • informações sobre prazo de entrega,
  • dados claros sobre as condições de aproveitamento da oferta, caso haja.

Garantir o atendimento ao cliente em canais voltados para essa relação

O acesso do cliente à sua empresa deve ser uma das preocupações de qualquer negócio virtual.

Mesmo que não haja contato físico, o consumidor deve conseguir entrar em contato com a empresa por outros canais, e receber resposta dentro do prazo de 5 dias.

Isso sem contar que, a resposta à demanda poderá vir dentro de 5 dias, mas a notificação ao cliente de que sua demanda foi recebida deve ser imediata, e deve ser feita pelo mesmo canal usado pelo cliente para o envio da mensagem.

75% dos consumidores esperam uma experiência consistente independente do canal escolhido para o relacionamento com a marca. Então fique ligado, afinal, a disponibilização de canais de contato para o cliente, atendendo a conceitos como o SAC 2.0, por exemplo, além de cumprir as exigências da legislação para e-commerce, também faz parte do conjunto de estratégias que devem ser usadas por empresas que se preocupam com a satisfação do cliente e em gerar uma excelente experiência para o consumidor.  

Leia também: Indicadores para fidelizar clientes: 5 dicas que você precisa conhecer para ampliar a sua base de clientes fiéis

Atender prontamente casos de arrependimento

Talvez esse seja o ponto mais polêmico da lei do e-commerce, afinal, a regra do arrependimento diz que o cliente tem até 7 dias depois de receber o produto para se arrepender da compra. E quando isso acontece, é o lojista que deve arcar com todas as despesas de devolução do produto comprado.

Dentro dessa regra, o cliente não é obrigado a apresentar maiores explicações sobre a razão para a devolução.

É claro que essa lei assusta, pois representa um custo alto para o vendedor, entretanto, na prática, poucos pedidos são devolvidos por causa de arrependimento de compra.

Garantia da proteção de dados do consumidor

É dever da loja virtual garantir a proteção dos dados de seus clientes para que não haja vazamento de informações, nesse sentido, é obrigatório investir em certificados digitais.

A necessidade de proteção de dados não é apenas uma exclusividade da Lei do e-commerce, sendo prevista também dentro da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em vigor desde setembro de 2020.

Em suma, a lei diz que é obrigação do e-commerce garantir a proteção do consumidor e de seus dados, realizando o tratamento adequado, não autorizando o uso indevido das informações e garantindo sigilo.

Para facilitar esse processo busque por gateways de pagamento seguros e conhecidos no mercado, que também estejam de acordo com as regras do e-commerce e atuem a partir de certificados de proteção de dados, oferecendo mais segurança para que seu cliente faça compras sem medo!

Vale ainda ressaltar que a lei do e-commerce, assim como todo o Código de Defesa do Consumidor, aponta que é trabalho da loja provar que não prejudicou o cliente, e não o contrário.

Por isso, esteja atento para garantir toda a segurança necessária, respeitando os direitos de seus clientes e mantendo sua loja protegida de qualquer problema por descumprimento das regras.

Se precisa de apoio financeiro para investir em soluções mais adequadas para o atendimento da lei do e-commerce, você pode contar com a ajuda da Gyra+.

A GYRA+ te ajuda a conseguir um empréstimo online em até 24 horas. Acesse o site da GYRA+, faça uma simulação e converse com nossa equipe que vai trabalhar para aprovar um empréstimo para seu negócio.

Não se esqueça que se você for usuário de plataformas como Mercado Livre, Mercado Pago, SkyHub (B2W), Pagseguro, PayPal, Pagar.me, ContaAzul, Rede, Getnet, Cielo, Stone, Bling! ou Wirecard, suas chances de conseguir o empréstimo são maiores.

Saiba mais sobre as integrações da GYRA+.

GYRA+

Somos uma fintech de crédito que chegou para simplificar a vida do empresário digital. Empréstimo rápido, simples e inteligente.

Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.